visualizações: 4221

Notícias - Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011

ESPECIAL: Hospital Público Regional, um investimento que irá contemplar toda a região

ESPECIAL: Hospital Público Regional, um investimento que irá contemplar toda a região

Na última sexta-feira (9), esteve em Três Passos Gilberto Barichello, Diretor Financeiro e Administrativo do Hospital Conceição, de Porto Alegre, e também responsável técnico pela elaboração do projeto para a implantação do Hospital Público Regional (HPR) em Palmeira das Missões e Frederico Westphalen.

Durante a palestra, Barichello explanou aos presentes todos os detalhes que envolvem o projeto de implantação e funcionamento da estrutura que, conforme suas palavras, “é o maior investimento que já veio para a região”.

Sobre o projeto

Iniciado há cerca de cinco anos atrás, o projeto do HPR visa a implantação de uma estrutura de média / alta complexidade e tecnologia, oferecendo recursos que, até então, para a região (em relação à proximidade), só eram acessíveis em grandes centros.

Abrangendo 72 municípios – os quais estão localizados a uma distância aproximada de até 100 km –, a instituição irá oferecer cirurgias complexas, ressonância magnética, tomografia, traumatologia, ortopedia, dentre outras especialidades. Não haverá mais necessidade de que, para atendimento de maior complexidade, os pacientes tenham que se deslocar a Passo Fundo, como ocorre atualmente.

O HPR atenderá somente pelo SUS. Tal característica é de suma importância em uma região que, dentre 500.000 habitantes, aproximadamente, cerca de 80% da população não possui plano de saúde.

Não será oferecido atendimento através de planos privados, mas o HPR também atenderá quem os têm. O critério – segundo Barichello – é “estar vivo”.

Estrutura

O projeto apresentado visa a construção de duas unidades: uma em Palmeira das Missões, e outra, complementar, em Frederico Westphalen – ambas administradas por uma fundação que integrará os 72 municípios. Estima-se que mais de 1.500 empregos serão gerados após a implantação da instituição hospitalar.

Já se encontram depositados na prefeitura de Palmeira das Missões R$ 20 milhões repassados pelo governo. Atualmente, está sendo realizado o processo de licitação de equipamentos.

A estrutura de Palmeira das Missões contará inicialmente com 180 leitos (sendo que, no projeto, é prevista a ampliação para até 250), e terá, aproximadamente, 23.000m² – uma área doada por um agricultor do município. Barichello ainda salienta a importância da acessibilidade, um dos quesitos decisivos pela escolha do local – próximo à rodovia, na entrada de Palmeira das Missões.

Em Frederico Westphalen, a estrutura complementar irá disponibilizar 70 leitos. A administração municipal e a comunidade almejam doar o atual hospital para a entidade que os municípios irão criar – em prol da organização de uma rede regional.

O HPR contará ainda com um albergue de 30 leitos, construído ao lado da instituição. Com isso, se porventura haja a necessidade de uma internação prolongada, ou ainda nos casos em que um diagnóstico não fique pronto no mesmo dia, pessoas que estiverem acompanhando o paciente poderão permanecer no local, sem qualquer custo. Conforme Barichello, tal estrutura existirá inclusive para que “ninguém explore politicamente o sofrimento das pessoas” (referindo-se a favores oferecidos por políticos, quanto ao custeio investido pelos mesmos no transporte e alojamento de pessoas).

Rede de Saúde

A ideia proposta por Barichello é a de trabalhar um projeto de organização de toda a rede dos hospitais, nos 72 municípios de abrangência. Segundo ele, o HPR não pode ser a porta de entrada do sistema, mas sim, as instituições hospitalares da região.

Pelo fato de que uma instituição de tal porte reflita diretamente em maior demanda – um aumento considerável de diagnósticos –, é imprescindível a organização de uma rede de saúde.

Quanto aos hospitais já existentes na região (3 municipais, 12 privados e 27 filantrópicos), de suma importância à implantação da rede proposta, muitos deverão continuar o trabalho já realizado atualmente; outros, além de servirem como retaguarda ao HPR, poderão atuar como centros de especialidade ou unidades mistas.

Barichello reforça a ideia de que os municípios não devem pensar de forma isolada, mas sim, como macrorregião. Fragmentada e/ou ociosa, uma rede hospitalar continuaria não resolvendo os problemas.

Residência médica

Conforme Barichello, o Hospital Público Regional, além de atender a população, também será utilizado para polo de ensino e formação às universidades. O objetivo é de oferecer residência médica, bem como de outras profissões, reforçando a permanência de profissionais na região, além de promover a pesquisa científica.

Frequentemente os profissionais da saúde precisam se deslocar aos grandes centros em busca de especialização; desses, muitos acabam não retornando mais. A ideia é descentralizar em prol do interior, fazendo com que profissionais permaneçam na região.

Apesar das vantagens apresentadas, o Hospital Público Regional sempre terá como prioridade o atendimento da população; complementarmente, trabalhará com ensino e pesquisa.

Custos

Equipado, o Hospital Público Regional terá um investimento próximo de R$ 100 milhões. Mensalmente, estima-se que o custo para manter a estrutura ficará em torno de R$ 4 milhões.

A maior parte do valor necessário para a manutenção da estrutura irá provir da União e Estado; a menor parcela será destinada aos municípios, através do rateio por meio de critérios, constituindo uma equação entre população, arrecadação, estrutura da rede municipal, dentre outros.

Existe ainda a possibilidade de que a União e o Estado assumam todos os custos. De qualquer forma, a instituição continuará pertencendo aos municípios envolvidos no projeto.

Previsão de funcionamento

De acordo com os gráficos apresentados, estima-se que as obras iniciem ainda neste mês. A previsão para a conclusão do HPR está prevista para acontecer em março de 2014.

Fonte: Roberto T. Fauri - Região Celeiro
Compartilhar: OrkutTwitterFacebookE-mail

Galeria de Fotos

Veja também

Comentários

EV8MBZgVQa postou em 21/09/2013, às 00:48:28

teka disse:Ricardo concordo em parte com teu cnemot rio.Mas quando vc . disse se esta bom para que mexer, ai discordo. Pois como sempre digo avalio o politico e n o o partido. Ent volto a frizar que o Dr. Jorge como medico e pessoa acho excelente . mas como politico n o tem perfil, pois como deputado e vice prefeito nada fez que chamasse aten ao para algum progeto.E vc esta certo o sr.Milton fez e esta fazendo um bom governo so que quem esta concorrendo n o o Milton e sim o Jorge .Esta a diferen a. E depois quanto fazer as melhorias na cidade me da dinheiro que tamb m fa o.E ainda garanto que n o pago 600 mil reais para modificar o progeto de um elevado. E todo mundo sabe que Rio do sul nunca que algu m lembre ganhou tanta verba do governo estadual quanto o atual prefeito ganhou do L.H.S. Que ent o era o governo do estado.Se vc observar as nossas ruas na maioria esta muito ruim. cal adas quebradas, esgotos ainda a ceu aberto,transporte publico subindo de pre o sem qualidade alguma.Sim a cidade evoluio mais agora da para perceber que n o recebendo mais tanta verba esta um pouco parada.E ai? temos um parque para caminhar um elevado que n o foi feito com o dinheiro de ninguem a n o ser nosso dos nossos impostos.Ou o prefeito algum empresario ou politico tirou de seus bolsos de forma comprovada algum dinheiro para estas melhorias? logico que n o .tudo foi feito com o dinheiro dos absurdos impostos que pagamos.Mas como disse o atual prefeito fez e faz um bom governo so que viaja muito para tratar de assuntos particulares.E n o ele que esta concorrendo as elei oes deste ano.E cada pessoa uma pessoa. Agora quanto partido n o sei quem de que partido,porque isto n o me importa.

mmULjq7X postou em 23/09/2013, às 15:11:46

Roberto P. disse:Agora vai dar briga hauhauah e o asse9dio moral do nosso rei sere1 intnseo com qualquer migalha comissionada para os nobres edis. O problema que antes do nossa Autoriadade Maior comemorar tere1 q aumentar a fonte para a Ce2mara, uma vez que sere3o quase 700 mil anuais para os oito novos vereadores, isso sem contar assessores e encargos. Ou seja, o ore7amento continuare1 causando ne1useas no Pale1cio das Cataratas

yguBlUoL postou em 25/09/2013, às 10:31:49

prancha disse:Com tanto vereador, vai faaltr cc de moeda de troca, eu ate9 je1 adiantou um sucesso do carnaval 2009: Hei vc aed, me de1 um CC aqui, me de1 um CC aqui ! http://loobvwvj.com [url=http://qtiezyk.com]qtiezyk[/url] [link=http://pxysrys.com]pxysrys[/link]

u2YW4pz81uD postou em 28/09/2013, às 05:41:04

Programa de Trainee BASF 2013 Inscrie7f5esA BASF, empresa do ramo de quedmica, abri [ ] Vestibular IFC 2013 Inscrie7f5esAs irnscie7f5es para o vestibular 2 [ ] Programa de Este1gio Novelis 2013A Novelis este1 http://jolwqsoekdg.com [url=http://ursadeq.com]ursadeq[/url] [link=http://zazudmico.com]zazudmico[/link]

1f0yZinP7 postou em 20/10/2013, às 02:23:17

NandoMuller disse:Oi Aldo,Obrigado pelos esclarecimentos sobre a pbcilua o dos coment rios. Agora entendi como funciona e concordo com o procedimento.Roberto,Tamb m lhe admiro. Contudo, estou convicto que o Milton n o ir para administra o p blica estadual se perder a elei o. Na minha vis o, respeitando as outras, iremos perder a grande oportunidade de projetar no executivo estadual uma das maiores lideran as que Rio do Sul formou em sua hist ria.Rafael,Precisamos investir em profissionais da sa de, criar atrativos em nossa cidade para que esses profissionais venham construir suas carreiras aqui, e o melhor, trabalhando na rede p blica de sa de. Isso exige investimento. No meu superficial entendimento, o d ficit financeiro que a UPA gerar vai contra a essa premissa. Por que n o investir os recursos para que os hospitais e postos de sa de j existentes em nossa cidade tenham profissionais para atender a popula o? Em Ibirama e Ituporanga temos estruturas de atendimento prontas sem profissionais e recursos para que funcionem. Tenho d vidas grandes quanto a viabilidade da UPA em uma cidade como a nossa. Contudo, sou advogado e, como comentou o Thiago, minha an lise sobre o assunto pode ser superficial.Fica o tema para os profissionais e servidores da rea analisarem. Espero que seja feito o que melhor para a popula o e n o o que melhor para campanha eleitoral.Abra os a todos e desculpem se ficou muito longo esse coment rio. http://pmwmfdsnf.com [url=http://depjkmcj.com]depjkmcj[/url] [link=http://fhywimyvis.com]fhywimyvis[/link]

e4cImReXt postou em 16/01/2016, às 04:15:41

I apiprceate you taking to time to contribute That's very helpful.

mjXU4yfw postou em 03/02/2016, às 04:11:30

Taking the ovvreiew, this post is first class http://jqdgrxaql.com [url=http://gkjhjmuchix.com]gkjhjmuchix[/url] [link=http://ugdhbnher.com]ugdhbnher[/link]


Regras para utilização deste espaço

Este espaço é destinado a livre troca de ideias, manifestação de opiniões e interação entre os internautas. Aprovamos os comentários em que o leitor expressa a sua opinião, ainda que divergente das apresentadas por autores e/ou entrevistados em reportagens, artigos, colunas, vídeos, fotos e demais conteúdos do site.

É expressamente proibida a publicação de mensagens com conteúdo:

  • Ilegal
  • Abusivo
  • Ameaçador
  • Nocivo
  • Obsceno
  • Profano
  • Difamatório de qualquer pessoa ou instituição
  • Discriminatório de credo, raça, condição social ou orientação sexual
  • De Incitação à violência e/ou ao crime contra pessoas, instituições, países ou a patrimônio público e privado
  • Capaz de ferir a reputação de pessoas ou organizações
  • Considerado spam ou correntes de mensagens
  • De propaganda política, de produto ou serviço
  • Falso ou fraudulento
  • Que viole o direito de propriedade de uma pessoa ou empresa
  • Que finja ser de autoria de outra pessoa, famosa ou não
  • Com textos em caixa alta, ou seja, somente com letras maiúsculas. Pelo uso e costume da internet, escrever em caixa alta pode ser interpretado como agressão aos outros usuários e também aos leitores; seria o equivalente a entrar em uma sala gritando.
  • Fora do tema proposto pela notícia, artigo, coluna ou postagem. Os comentários são bem-vindos, mas devem se ater ao tema proposto na página.
  • Postado por usuários com único objetivo de gerar “bate-boca”.
  • Que divulgue informações pessoais de outras pessoas.

Consequências por infração a estas regras:

  • Infrações podem levar a exclusão do conteúdo sem necessidade de retratação por parte do site. Usuários que forem denunciados ou tiverem conteúdos retirados do ar, poderão ter seus comentários pré moderados e IPs bloqueados.
  • Mediante determinação judicial, as informações poderão ser repassadas às autoridades competentes.
  • Será considerada falta gravíssima qualquer tentativa de fraude, inclusive para prejudicar outro usuário de forma que ele seja passível de perder seu direito de acesso ao site por interdição ou exclusão.

Obs.: Infelizmente, democracia não exclui divergências: em algumas ocasiões, conversas podem causar mal-entendidos.

Postar um comentário












Código de Segurança

Ao clicar em "Postar comentário", você estará assumindo total responsabilidade sobre o conteúdo de sua mensagem, além de estar implicitamente concordando com as regras apresentadas acima. Por medidas de segurança, seu ip 54.162.126.136 também será armazenado.